Melanose solar

Melanose solar

Publicado em 11 de maio de 2015

Atlas de Imagens

Melanoses solares, lentigos solares  ou as popularmente conhecidas “manchas senis”, são lesões benignas decorrentes da atividade aumentada dos melanócitos, células responsáveis pela produção do pigmento na pele. Caracterizam-se por manchas hiperpigmentadas acastanhadas em áreas expostas a radiação solar.


Etiologia:  Apesar do termo mancha senil, as lesões são na verdade decorrentes do dano solar ao longo dos anos. A radiação ultravioleta estimula maior produção e atividade dos melanócitos, estimulando hiperprodução de melanina, pigmento escuro da pele, o que originará as manchas.   Como o dano solar é cumulativo, costumam surgir em pessoas com idade mais avançada  e pele mais clara, pela maior sensibilidade dos melanócitos à radiação ultravioleta.


Quadro clínico: Caracterizam-se por máculas hipercrômicas de coloração acastanhada que variam do marrom claro ao escuro, e podem variar de milímetros a alguns centímetros. Localizam-se em áreas de exposição solar, principalmente face, colo, antebraços e dorso de mãos.  Um fator importante durante o exame físico do paciente é a exclusão de lesões pré-neoplásicas, já que as melanoses também são decorrentes do dano solar cumulativo.


Tratamento: O melhor tratamento ainda é a prevenção. Deve-se usar filtro solar diariamente, o que previne não só as manchas, como as lesões neoplásicas e pré-neoplásicas.
Para tratamento das manchas já instaladas, podemos optar por tratamentos diversos com resultados terapêuticos variáveis.
A cauterização química pode ser realizada pela aplicação pontual de ácido tricloroacético na superfície da lesão. A criocirugia com nitrogênio líquido também pode ser usada, ambas as técnicas com resultados pouco satisfatórios.
A opção por um peeling  de ácido tricloroacético em toda superfície acometida apresenta bons resultados, com a desvantagem de ser um procedimento relativamente agressivo, com descamação de toda superfície tratada.
A luz intensa pulsada tem apresentado resultados excelentes para o tratamento das melanoses solares, assim como os lasers de pulso curto, como o  Nd-YAG Q-Switch. Ambos terão como alvo a melanina, o pigmento escuro da pele, que se concentra nas lesões. O pigmento absorverá a luz, a qual promoverá a destruição da lesão.  Como a luz intensa pulsada e o Nd-YAG Q- Switch só atuarão no pigmento, o procedimento torna-se menos agressivo e mais seguro, pois só atuará nas lesões pigmentadas. Em geral são necessárias entre 3 a 5 sessões para uma regressão completa das lesões.
Fotoproteção é fundamental antes, durante e após o tratament
o.

Pesquisar