Hiperidrose

Hiperidrose

Publicado em 11 de maio de 2015

É a sudorese excessiva. Atinge comumente as axilas, as palmas e as plantas dos pés. Embora a morfologia e função das glândulas écrinas sejam normais, parece ser uma resposta ao estímulo emocional dos centros écrinos hipotalâmicos. As glândulas apócrinas devem ser importantes na hiperhidrose axilar, as quais são precipitadas pêlo estímulo emocional e/ou térmico. O tratamento da hiperhidrose pode ser local, com o uso de drogas (cloreto de alumínio, formol 2%, zircônio), iontoforese, anticolinérgicos orais, tranqüilizantes, infiltração local de toxina botulínica, e em casos extremos o tratamento cirúrgico com z-plastia ou simpatectomia transtorácica endoscópica bilateral.

Outras causas de hiperhidrose localizada incluem a granulose rubra nasi, onde se observam pápulas eritematosas com sudorese no nariz de crianças, que podem persistir no adulto deixando telangiectasias residuais; hiperhidrose perilesional, hiperhidrose gustativa (localizada nos lábios, testa e nariz, após ingestão de certos alimentos) e  neuropatias periféricas. A hiperhidrose generalizada é mais  frequente em doenças febris, mas pode ser observada em outras doenças sistêmicas, tais como o feocromocitoma, tireotoxicose, congestão cardíaca, diabetes mellitus. A hiperhidrose noturna tem sido classicamente associada a doença de Hodgkin, mas pode ocorrer em outras doenças crônicas. Finalmente, a hiperhidrose unilateral paroxística pode está associada com neoplasma intratorácico.

Pesquisar