Exantema Súbito

Exantema Súbito

Publicado em 7 de maio de 2015

Doença infectocontagiosa benigna causada mais comumente pelo herpesvirus humano 6 (HHV6), e também pelo HHV7, sendo comum na infância e acometendo principalmente a faixa etária de 6 meses a (3) 4 anos. O HHV6 possui duas variantes genéticas e fenotípicas, HHV6A e HHV6B, sendo este último o mais comum.  Recebeu várias denominações tais como: “roseola infantum”, sexta doença, pseudo-rubéola, febre dos três dias, exantema crítico e exantema súbito.

Incide mais no verão e tem baixa contagiosidade. O período de incubação varia entre 5 a 14 (9-10) dias. O quadro clássico cursa com aumento abrupto de temperatura (38 – 400 C) (40-40.50C), febre persistente que continua por 3 a 4 dias, quando então desaparece em crise (lise ou defervescência). Neste período o exame físico é inexpressivo com freqüente adenopatia subocciptal e cervical posterior, chamando atenção o estado geral preservado da criança. A erupção cutânea aparece normalmente após o término do período febril ou até 24 horas após a sua remissão.

São máculas ou maculopápulas róseas de 2 a 3 mm, que caracteristicamente iniciam-se no tronco estendendo-se para o pescoço, nuca, face e raízes dos membros. Um enantema de pápulas vermelhas no palato mole e úvula pode ser visto (mancha de Nagayama). A duração do exantema é, em média de 1 a 2 dias, podendo eventualmente durar horas ou passar desapercebido. O exantema não é recorrente, nem pruriginoso, nem há descamação da pele ou enantema. A complicação mais freqüente é a convulsão febril. 

O diagnóstico diferencial é feito com as demais doenças exantemáticas (sarampo, rubéola, eritema infeccioso, escarlatina, etc) e hipersensibilidade a drogas.

Pesquisar