Doença Mão Pé Boca

Doença Mão Pé Boca

Atlas Doença Mão Pé Boca

É normalmente causada pelos vírus Coxsackie A16 e menos freqüentemente pelo A5. Quando causada pelo Enterovirus 71 (EV71) tem sido associada com significante morbidade e fatalidades. Tem período de incubação de 5 a 7 dias, resolvendo-se entre 5 e 10 dias. A maioria dos casos afeta crianças menores de 10 anos, embora casos em adultos sejam relatados.

Além disso, casos esporádicos com os tipos de vírus Coxsackie A4-A7, A9, A10, B1-B3, B5 têm sido relatados. As infecções geralmente ocorrem como eventos isolados, mas as epidemias ocorrem regularmente. Um surto na China em 2003 foi causado pelo Echovirus 19.

A infecção pelo Coxsackie é altamente contagiosa. Durante as epidemias, o vírus é transmitido através de transmissão horizontal de criança para criança e da mãe para o feto. A transmissão ocorre por meio de contato direto com secreções nasais ou orais, material fecal, ou gotículas de aerossol em uma rota fecal-oral ou oral-oral. A implantação viral inicial na mucosa bucal e ileal é seguida por disseminação para os nódulos linfáticos em 24 horas. Uma viremia rapidamente se segue, com difusão para a mucosa oral e pele. No 7 º dia, os níveis de anticorpos aumentam neutralizando os vírus que são eliminados.

A doença mão-pé-e-boca é mais grave em lactentes e crianças do que adultos, mas, geralmente tem um curso suave. Infecções por enterovírus também podem causar pneumonia, miocardite, meningoencefalite, e até a morte. Raramente, a doença reaparece. Infecção no primeiro trimestre pode levar a abortos espontâneos ou retardo do crescimento intra-uterino.

Um grande surto em Taiwan causado pelo enterovírus 71 teve uma alta taxa de mortalidade de 19,3% nos casos graves; as mortes resultaram de hemorragia pulmonar. Durante este surto, as taxas de mortalidade foram mais elevadas em crianças menores de 3 anos.

Em um grande surto epidêmico (138 casos) relacionado com enterovírus 71 em Cingapura, ocorreram 7 mortes, a maioria de pneumonite intersticial ou encefalite de tronco encefálico. As conclusões do relatório foram de que, em geral, é uma doença benigna, mas a presença de achados físicos incomuns , elevada contagem total de células brancas do sangue, vômito e a ausência de úlceras orais pode significar um paciente com maior risco de um desfecho fatal.

Há breve pródromo de 12-36 horas de duração que consiste de: febre baixa, com uma temperatura média de 38,3 ° C e duração de 2-3 dias,
anorexia, mal-estar, dor abdominal, dor na boca e tosse. Em um estudo, 80% das crianças apresentaram-se com anorexia e dor na boca. As lesões bucais se  iniciam como máculas eritematosas que evoluem para vesículas com  2-3 mm de base eritematosa. As vesículas são raramente observadas, porque rapidamente ulceram. São dolorosas e podem interferir com a alimentação. O número médio total de úlceras é de 5-10. As vesículas podem envolver o palato, mucosa bucal, gengiva e língua. A língua está envolvida em 44% dos casos, e, além de úlceras, a língua pode ser edematosa e macia.

O enantema geralmente precede o exantema que é assintomático, mas ambos podem ocorrer simultaneamente. As lesões nas mãos e pés estão presentes durante 5-10 dias. As lesões da mucosa e da pele curam espontaneamente em 5-7 dias. Podem ser observadas vesículas ovais típicas com seu longo eixo acompanhando os dermatóglifos nas palmas, plantas, dorso das mãos e em torno das unhas dos dedos das mãos e pés em 75% dos pacientes.

Lesões cutâneas são características e estão presentes em dois terços dos pacientes. Tipicamente, as mãos, pés e nádegas estão envolvidas. As mãos são mais acometidas do que os pés, sendo o dorso e as laterais dos dedos mais atingidos do que a superfície palmar. Cada lesão começa como uma mácula eritematosa 2-10 mm na qual uma vesícula central, , cinza oval se desenvolve. As lesões são caracteristicamente elípticas; seu longo eixo é paralelo à linha da pele. Estas lesões são assintomáticas e se resolvem em 3-7 dias, como resultado da reabsorção de líquidos. Erupção maculopapular eritematosa pode ocorrer também nas nádegas e braços. Em um relatório, 22% dos pacientes também tinham marcada linfadenopatia cervical ou submandibular.

O vírus pode estar presente nas fezes do paciente por um mês. A exclusão do paciente da escola, geralmente não é necessária. Uma boa técnica de lavagem das mãos é necessária para reduzir o potencial de propagação da doença. Para reduzir a propagação viral, não romper as vesículas .

O tratamento é sintomático.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pesquisar